Agende-se: 06 de maio

Preparamos algumas opções de agenda para hoje, dia 06 de maio.
Debates fundamentais para a luta coletiva dos movimentos e causas pelo acesso aos direitos, pela defesa da dignidade e pelo enfrentamento à Pandemia:

O Comite Estadual SUAS/SC-COVID19 em parceria com o Departamento de Serviço Social da UFSC convidam para o webinar sobre os impactos da pandemia nas relações de trabalho e na atuação sindical
Canal do Comite SUASSC/COVID19 – Youtube

Mulher Trabalhadora X Isolamento Social: impacto, realidade, protagonismo
https://www.facebook.com/gilvanobronzoni

Live CRESS SC – Dia do Assistente Social
http://cress-sc.org.br/
Se inscreva agora mesmo no link abaixo, é grátis e vai ser incrível! \o/
Portabilis
por Equipe SUAS (2019) Postado em Post

Agende-se: hoje (05 de maio)

Preparamos algumas opções de agenda para hoje, dia 05 de maio.
Debates fundamentais para a luta coletiva dos movimentos e causas pelo acesso aos direitos, pela defesa da dignidade e pelo enfrentamento à Pandemia:

O SUS E O SUAS NO ENFRENTAMENTO AO CORONAVÍRUS
@iranbarbosaoficial
Os Desafios da Assistência Social na atuação na política de Assistência Social no enfrentamento à Pandemia.
https://www.facebook.com/cressmg
PLANO DE CONTINGÊNCIA DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
CANAL DO YOUTUBE SETASC COMUNICA
por Equipe SUAS (2019) Postado em Post

OS BENEFÍCIOS EVENTUAIS DO SUAS EM TEMPO DE PANDEMIA – Informe 3 da Frente Nacional

O objetivo do INFORME 3 é apresentar possibilidades de ação para que gestoras/es públicos, conselheiras/os e trabalhadoras/es do SUAS possam concretizar, no contexto da pandemia, os benefícios eventuais como direito no escopo da política pública de assistência social. Tais alternativas estão fundamentadas no estudo feito pela consultora Ana Ligia Gomes à Secretaria Nacional de Assistência Social em 2015. E estão baseados também na análise de legislações e normativas vigentes em diálogo com desafios de hoje.

Leia! Compartilhe! Baixe o Informe 3:

OS BENEFÍCIOS EVENTUAIS DO SUAS EM TEMPO DE PANDEMIA

por Equipe SUAS (2019) Postado em Post

Agende-se: hoje (30 de abril)

Preparamos algumas opções de agenda para hoje, dia 30 de abril.
Debates fundamentais para a luta coletiva dos movimentos e causas pelo acesso aos direitos, pela defesa da dignidade e pelo enfrentamento à Pandemia:

https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/edusex
1° Diálogo: “Impactos do isolamento na violência doméstica e familiar”, com as palestrantes: Doutora Raíssa Jeanine Nothaft e a Doutoranda Valéria Mariano (PPGICH/UFSC); com coordenação da Professora Doutora Luciana Zucco (DSS/PPGSS; PPGICH/UFSC)
A assessora política do Inesc, Livi Gerbase, vai explicar passo a passo como encontrar e entender os gastos federais com o combate à Covid-19. https://www.instagram.com/inescoficial/
Os serviços de proteção social especial de alta complexidade do SUAS no contexto da pandemia https://conteudos.unis.edu.br/livesuas_30-04-2020
Debate sobre a política de trabalho durante a pandemia na página da Arca no Facebook!
Ariana Frances e José Celso Cardoso Jr. José Celso Cardoso Jr. é Doutor em Economia pela Unicamp e PHD em Governo e Políticas Públicas pela Universidade Autônoma de Barcelona. É também o Presidente da Afipea-Sindical e Ariana Frances é formada em Direito pela USP e Mestranda de Governança e Desenvolvimento na Enap, além de servidora, tendo passado pelo Ministério Público de SP,Cultura e Desenvolvimento Social.
https://www.facebook.com/arcadesenvolvimentosustentavel/
COVID 19: Desigualdade social, ideologia e os desafios atuais da luta da classe trabalhadora.
https://youtu.be/aKi1ETakWN8

Pré-visualizar em nova aba(abrir em uma nova aba)

https://www.facebook.com/abpn.org.br
Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as – ABPN
por Equipe SUAS (2019) Postado em Post

Saldo de fundos de assistência social durante pandemia

O Senado deve votar em breve um projeto de lei que autoriza a transferência de saldos dos fundos de assistência social dos estados, do Distrito Federal e dos municípios para fortalecer o apoio à população de baixa renda durante o estado de calamidade pública decorrente da proliferação do novo coronavírus.

O PL 1.389/2020 foi aprovado nessa quinta-feira pelo Plenário da Câmara dos Deputados e chegará ao Senado nos próximos dias.

A idéia da autora, deputada Flávia Arruda (PL-DF), é assegurar que o Sistema Único de Assistência Social (Suas) possa realocar os recursos que ficaram no caixa de exercícios anteriores, com o intuito de atender as famílias mais vulneráveis.

Segundo o Ministério da Cidadania, em dezembro os saldos do Suas somavam R$ 1,5 bilhão — dinheiro vindo por repasses do Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS).

No ano passado, o orçamento do FNAS superou R$ 61 bilhões, dos quais R$ 59 bilhões foram executados, conforme a Controladoria-Geral da União. A maior parte do dinheiro foi transferida para os fundos estaduais e municipais de assistência social, para aplicação em programas como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Flávia Arruda afirmou que espera que estados, DF e municípios aliviem as consequências da covid-19 para a população de baixa renda. Ela ressaltou que não haverá custo adicional para a União.

No Distrito Federal, por exemplo, o saldo em dezembro era de quase R$ 26 milhões. Segundo a deputada, o dinheiro poderá ser usado, por exemplo, para a distribuição de cestas básicas.

— O momento que a gente vive é de muita dor, muito sofrimento, e quem mais sofre é a população carente — disse.

Substitutivo

O texto foi aprovado na forma de um substitutivo apresentado pela relatora, deputada Shéridan (PSDB-RR). O substitutivo autoriza os entes federados a remanejar os recursos entre os blocos de financiamento do Suas, que envolvem, além da gestão do sistema, ações de média e alta complexidade.

O substitutivo também suspende por 120 dias, a contar de 1º de março, a obrigatoriedade do cumprimento das metas pactuadas no Suas pela União com os entes federados. Fica assegurada a integralidade dos repasses federais. De outro lado, o texto determina que quaisquer mudanças nos recursos serão objeto de prestação de contas.

Durante a sessão do Plenário, Shéridan avaliou que os gestores locais “sabem identificar as ações que necessitam de reforço financeiro para a proteção social dos grupos vulneráveis”.

— Hoje, além do medo da contaminação, há o medo da fome. Não estamos aqui na discussão sobre se existe máscara ou álcool em gel. Estamos falando daqueles que não têm água tratada em casa, nem sequer um pedaço de pão.

População de rua

O texto destaca atenção especial à população em situação de rua. Restaurantes populares devem atendê-la, contanto que se façam as adequações necessárias para evitar aglomerações e contaminação por agentes infecciosos. O texto também prevê o uso dos recursos para ampliar os espaços de acolhimento temporário (abrigos) com as adaptações necessárias.

Em todas as praças e ruas onde há moradores de rua, deverá ser oferecida água potável e acesso aos banheiros públicos já existentes, sem prejuízo da implantação de outros sanitários para uso público.

Com informações da Agência Câmara e da Rádio Câmara

Fonte: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/04/27/senado-avaliara-uso-do-saldo-de-fundos-de-assistencia-social-durante-pandemia

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

Vídeos importantes: as “lives” sobre o SUAS e a Pandemia

Durante este período de enfrentamento ao Covid-19 e estado de pandemia, muitas reuniões virtuais ao vivo, e em tempo real, as chamadas ‘lives’, vem sendo apresentadas como forma de capacitação a gestores, trabalhadores e entidades e como forma de organização e defesa de direitos, entre eles o direito à Assistência Social. O MaisSUAS conjugou alguns links para favorecer o acesso:

A PROTEÇÃO E DESPROTEÇÃO SOCIAL BRASILEIRA – PROFA. ALDAIZA SPOSATI

Fonte: Canal YoUTube Federação Catarinense dos Municípios – FECAM

DEBATE: O coronavírus e a atuação da Psicologia no Sistema Único de Assistência Social (SUAS)

Fonte: Canal Youtube CRPSPvideos

COVID-19: ASSISTÊNCIA SOCIAL E PNAE – Dr. Pierre Vanderline

Fonte: Canal YoUTube Federação Catarinense dos Municípios – FECAM

RODA DE CONVERSA: ILPIS em tempos de pandemia

Fonte: Canal YoUTube Federação Catarinense dos Municípios – FECAM

Diálogo Digital – Coronavírus e a atuação da Psicologia nas políticas de Assistência Social e Saúde

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM TEMPOS DE PANDEMIA

Fonte: Canal YouTube Fala, Diversidade

DEBATE SOBRE BENEFÍCIOS EVENTUAIS E PLANO DE CONTIGÊNCIA

Fonte: Canal YoUTube Federação Catarinense dos Municípios – FECAM

DEBATE ANÁLISE DE CONJUNTURA E LANÇAMENTO DO COMITÊ SUAS/SC-COVID19 – Santa Catarina

Fonte: Canal YoUTube Federação Catarinense dos Municípios – FECAM

O risco de não ter como enfrentar os riscos: populações vulneráveis frente ao Novo Coronavírus 

Fonte: Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas (ANEPCP)

Rumos do país: quais saídas? Impeachment ou afastamento X ampliação do Autoritarismo

Fonte: Canal Youtube Plataforma de Reforma Política
por Equipe SUAS (2019) Postado em Post

O “corona” e a fênix: um golpe traumático ao capitalismo?

Por Marcela de Andrade Gomes. Psicóloga, psicanalista, professora da Universidade Federal de Santa Catarina. Organizadora do evento Jornada SUAS – UFSC.

Fonte: https://www.antropologicas-epidemicas.com.br/post/o-corona-e-a-f%C3%AAnix-um-golpe-traum%C3%A1tico-ao-capitalismo

Temos vivido tempos difíceis, não que antes estivéssemos em um contexto idílico; mas não há como negar que o “coronavírus”- expressão agora tão corriqueira- tem alterado substancialmente nossa economia, política e vidas singulares. De tempos em tempos, a humanidade é colapsada por algum fenômeno que a transforma, desloca, precariza e extermina. Certamente o “corona-vírus” será um destes fenômenos; depois dele, a humanidade não será a mesma. Corona… tempo de espera, incerteza, ansiedade, medo, pânico, rompimentos, lutos, afastamentos, violências… ou seja, as múltiplas formas de lidar e expressar a angústia humana.

O que será que podemos apreender com esta atual crise humanitária? A serviço de quem ou o quê este colapso se coloca em marcha? Qual uso podemos fazer desta pandemia?

Colapso; isolamento; pânico; suspensão; serviços; essenciais; saúde; Estado; Governo; máscara; álcool… são significantes que nos atravessam cotidianamente por meio dos diversos meios de comunicação que nos invadem sistematicamente.

Aposto na palavra “paradoxo” para tentar caracterizar esta experiência coletiva: o paradoxo é aquilo que não tem solução; é quando os opostos coexistem. Se, por um lado, estamos vivenciando um empobrecimento maciço da população, um desemprego em massa, entrando em uma profunda e longa recessão econômica e nos deparando com cenas apocalípticas de caixões enfileirados nos noticiários – ao menos, até o presente momento em que escrevo este texto; por outro, o ar está mais limpo, animais e plantas reconquistam seu direito de existir livremente em seus habitats, estamos (re)desenvolvendo formas de relação mais comunitárias, coletivas e afetivas.

Evidente que este paradoxo não é simplório assim. A depender da classe social, gênero, raça, etnia e território da qual pertencemos, a situação de vulnerabilidade social e sofrimento psicológico serão substancialmente distintas. Não há dúvidas que este colapso é muito mais brutal e violador dos direitos humanos para as camadas empobrecidas: majoritariamente negra, que possivelmente estão experienciando o racismo de forma muito mais acentuada; mulheres que vêem suas jornadas de trabalho doméstico e as desigualdades de gênero neste contexto se acirrarem; indígenas e quilombolas que possuem mais dificuldades de acessar o SUS; e imigrantes que, além das dificuldades de acessar as políticas públicas, sentem a xenofobia e negligência de Estado de forma ainda mais intensa neste contexto. Ouvimos alguma ação destinada aos imigrantes e refugiados desde que foi anunciada a medida de isolamento no Brasil? Desastre e tristeza também há de sobra para a população encarcerada e em situação de rua que, ao ouvir “#fiqueemcasa”, soa como algo quase delirante.

Além destes efeitos econômicos e sociais que, notoriamente, vêm intensificando o histórico processo de violação de direitos para alguns segmentos sociais, muitos de nós temos nos deparado com uma experiência quase inédita neste acelerado e conectado chamado mundo “pós-moderno”: um contato intenso e permanente consigo mesmo, com seus familiares e vizinhos. Uma jornada onde temos a radicalidade da experiência de estar com nós mesmos, nossas “escolhas”, nossas relações e modos de vida.

Para quem está podendo vivenciar a quarentena (entendida aqui como um direito e não um privilégio, e, como os demais direitos humanos, extremamente violados pelo Estado brasileiro), possivelmente está sentindo uma mudança substancial em nossa forma de se relacionar com o outro e consigo mesmo.

Se o capitalismo nos empurrava de forma incansável para o aceleramento, produção, trabalho, dinheiro, consumismo e espaço público, o “cornona vírus”, por outro lado, tem nos empurrado para a esfera privada, nos isolando e nos dando tempo – artigo de luxo para o nosso patológico mundo “pós-moderno”.

A fênix é um animal da mitologia grega que morre por conta de sua própria autocombustão e depois renasce; das cinzas faz outra coisa e tomas asas para voar e viver outras vidas. O “coronavírus” tem nos colocado de uma forma visceral frente à dialética vida e morte. Tragicamente temos visto decisões de Estado que nos empurram para a morte com intuito de não “quebrar” – outro significante bastante presente nos tempos atuais – a economia. Ao mesmo tempo que o Estado nos empuxa para a vala comum da história, nunca escutamos a população e dirigentes públicos falarem tanto do “CRAS” e dos programas de transferência de renda de forma tão íntima e prestigiosa – como testemunha e pesquisadora do intenso e importante trabalho realizado por colegas profissionais no SUAS, me emociono com esta mudança. Além disso, temos presenciado o giro que o significante “Ciência” tomou nestes últimos dias; do descrédito e rechaço à aposta de encontrar saídas e alternativas para este trágico cenário.

O “corona vírus” tem nos mostrado a necropolítica inerente ao capitalismo; a coadunação entre o autoritarismo e neoliberalismo nos chamados Estados modernos; a sobreposição do mercado à vida humana e planetária; a nossa precariedade enquanto seres humanos e o fato de algumas vidas serem mais passíveis de luto do que outras; o fortalecimento das narrativas fascistas que sobrevivem por meio de uma gramática discursiva que acalma os nossos fantasmas singulares e coletivos. Neste contexto de desigualdades sociais, violência de Estado e pedido desesperador do sistema capitalista para se salvar desta crise, estamos morrendo. Alguns mais e outros menos, mas estamos morrendo.

Que esta experiência mortífera, a qual nos convoca o “coronavírus”, venha nos ensinar a fazer golpes no sistema e em nós mesmos; que consigamos colocar em suspensão um modo pragmático, veloz, produtivo, narcísico, destruidor e consumista. Ainda que a vida coletiva seja por condição sempre desigual, conflitosa e sofredora, que façamos outra coisa com ela do que estamos fazendo nos últimos séculos. Que o “coronavírus” nos mostre o quanto necessitamos do outro e do meio ambiente, o quanto somos precários, dependentes e o quanto ainda há por se viver.

Que este colapso nos tire do isolamento antropocêntrico e egoístico; que o pânico nos dê princípio de realidade de que nós e o planeta somos mortais; que o Estado se estruture menos na lógica do “álcool e máscara” e mais no investimento em ciência, infraestrutura e políticas públicas; que a saúde e a vida seja, de fato, um direito de todos/as; que aprendamos o que é, afinal, o que há de mais essencial em nossas vidas. A isso, cabe a cada um sua(s) resposta(s). Quando a morte cruza nossas esquinas a todo momento, é hora de se pensar em qual vida e sociedade queremos viver.

Referências:

Brasil. (2004). Política Nacional de Assistência Social (PNAS) / Norma Operacional Básica (NOB/SUAS). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Butler, J. (2015). Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Freud, S. (1932/2010). Por que há guerra? São Paulo: Companhia das letras.

Freud, S. (1919/1996). O mal-estar na civilização. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago.

Khel, M. R. (2010). Tortura e sintoma social. In: Telles, E; Safatle, V. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. (pp. 237-252). São Paulo: Boitempo.

Mbembe, A. (2016). Necropolítica. Arte & Ensaios, 32, 123-151.

Rancière, J. (2012). El ódio a la democracia. Buenos Aires: Amorrortu.

Safatle, V. (2010). Do uso da violência contra o estado ilegal. In: Telles, Edson., Safatle, Vladmir. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. (pp. 237-252) São Paulo: Boitempo.

CRESS-PR lança informativo sobre a Renda Básica Emergencial

Com a necessidade de informar a categoria profissional e a população sobre a Renda Básica Emergencial, o CRESS-PR lança um guia com informações essenciais para as/os Assistentes Sociais e para a população em geral sobre o pagamento da Renda.

https://bit.ly/Tudo-Sobre-Renda-Básica

É importante que as/os Assistentes Sociais permanecem alertas quanto a necessidade de medidas básicas de distanciamento e de exigir essas medidas de gestores e profissionais em local de trabalho.

#PraCegoVer: no topo da imagem, a logomarca do CRESS-PR. Ao centro, imagem de uma comunidade vulnerável com a frase: “Renda Básica Emergencial: Um Direito da População”.

Agenda 23/04: Frentes de todo o país debatem sobre a Assistência Social e o Covid-19

Deputadas e Deputados de todo o país, representantes e ou coordenadores das Frentes Parlamentares em defesa da Assistência Social reúnem-se remotamente para debater ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ENFRENTAMENTO AO COVID-19: CENÁRIOS E DESAFIOS NA PROTEÇÃO À POPULAÇÃO.

Participarão do evento representantes do Fórum Nacional de Secretários de Estado de Assistência Social – FONSEAS, do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social – CONGEMAS e da Frente Nacional em Defesa do SUAS.

Dia 23/04
10h00
Acesso
:
Youtube @legislativopb
Facebook: @assembleiapb

Congemas e Fonseas: carta com reivindicação e denúncias ao MC e SNAS

O Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social – CONGEMAS e o Fórum Nacional de Secretários de Estado da Assistência Social – FONSEAS enviaram carta conjunta ao Ministério da Cidadania e Secretaria Nacional de Assistência Social e formalizaram a solicitação de reuniões em caráter de comitê de enfrentamento da crise COVID-19, com participação das representações dos entes federados, sob sua coordenação, com frequência suficiente para corresponder aos desafios interfederativos, no enfrentamento do COVID-19, bem com o devido restabelecimento das reuniões da Comissão Intergestores Tripartite. As instâncias alegam isolamento político e gerencial quanto às decisões relacionadas à Assistência Social.

A Carta reforça a urgente revogação da Portaria no 2.362/19, considerando seus efeitos redutores dos recursos necessários para a manutenção da atual rede implantada no SUAS. E encaminha uma pauta urgente de assuntos a serem tratado em conjunto com o Ministério da Cidadania, de forma urgente:

  • Renda Emergencial: avaliação do panorama de implementação; dificuldades na operacionalização do Auxílio Emergencial; adequações na governança do programa e soluções imediatas reduzir barreiras no acesso a este benefício eventual, tendo em vista o amparo legal na Assistência Social; unificação de entendimentos e decisões quanto ao papel do SUAS na garantia do direito à renda; pactuação de novas formas de acesso para população mais vulnerável; proposta de ampliação da renda considerando o cenário pós COVID-19, com focalização no público da Assistência Social, o que enseja aprimoramentos nas ferramentas e no modelo de governança); regulação das provisões nas situações de emergência e calamidade, considerando as demandas dos municípios e regiões.
  • Orçamento 2020 e novos recursos para o enfrentamento do COVID19: cronograma de repasse dos recursos relativos a 2020, com devida regularidade; destinação dos créditos adicionais; pagamento de recursos de exercícios anteriores; previsão de recursos para IDGDSUAS e AEPETI para 2020; novos recursos e prioridades – Acolhimento População em Situação de Rua, Instituições de Longa Permanência, Acolhimento para Mulheres, Acolhimentos para Migrantes; flexibilização na utilização dos recursos dos pisos, para atender as demandas dos municípios; pactuação de recursos para serviços da proteção especial não cofinanciados; compra de equipamentos de segurança; imediata revogação da Portaria 2362/19).
  • Plano de Contingência na Assistência Social (elaboração dos Planos nas três esferas de governo, e criação de um gabinete de crise com presença das três esferas de governo; garantia de orientações técnicas e equipamentos de segurança aos trabalhadores do SUAS);
  • Pleno funcionamento das instâncias de deliberação e pactução: é preciso restabelecer o funcionamento das instâncias para devida pactuação na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) e Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), órgão superior da política de Assistência Social, com adequações para reuniões remotas e possibilidades de participação.

O Congemas e o Fonseas insistem na necessidade urgente de unificar os esforços para garantir Assistência Social diante do cenário de crise e no pós COVID-19, e afirma que tal depende, inevitavelmente, de agilidade e proatividade na coordenação nacional e cooperação entre os entes federados, para além de iniciativas da sociedade.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é carta-conjunta-1024x1024-1.png

ACESSE a CARTA CONJUNTA
CONGEMAS FONSEAS! LEIA! COMPARTLHE!

FONTE: http://fonseas.org.br/fonseas-e-congemas-assinam-carta-conjunta-ao-ministerio-da-cidadania/

por Equipe SUAS (2019) Postado em Post