É mas não é: ilegitimidade e decepção marcam apresentação de Ministro e Secretária, ativistas do Golpe no MDS

Depois da Cultura foi a vez de outro Ministro do governo interino e golpista do #Temerjamais passar por um vexame público.

Aos gritos de “golpista”, “Fora Temer”, “Devolve o MDS” e outras palavras de ordem, o Ministro interino do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra foi recebido com grande hostilidade pelos quase dois mil participantes do 18º Encontro Nacional dos Gestores Municipais de Assistência Social (CONGEMAS) ontem, dia 23 de maio, em Brasília no Centro de Convenções Ulisses Guimaraes.

Depois de ouvir dos representantes das entidades que compõem as instâncias do SUAS como o Congemas, o Fonseas, o CNAS e a representação dos usuários da política de assistência social que não há espaço na democracia brasileira para retrocessos na conquista de direitos viabilizados pelas políticas sociais, o Ministro interino quase não conseguiu se expressar, sob constantes vaias. Proferiu seu discurso no melhor tom populista e retrógrado, com palavras cheirando ao passado que insiste em voltar. Prometeu recompor o orçamento da Assistência Social, se comprometeu a dar continuidade ao Programa Bolsa Família e ao BPC. Resgatou sua trajetória na área da saúde e sua participação no finado e ultraliberal Programa Comunidade Solidária, que nunca, em tempo algum, sequer conduziu nossa sociedade a qualquer patamar de dignidade.

Em síntese, o Ministro disse e ao mesmo tempo não disse. 

Ao assumir publicamente o compromisso de continuar o SUAS não explicou porque tentou logo na primeira semana de gestão barrar a aprovação do Plano Decenal da Assistência Social no CNAS. Também não explicou o significado do arranjo institucional que funde o MDS ao MDA e ainda, de quebra, inclui o INSS. Não explicou como pretende deixar de fora do contingenciamento e do ajuste fiscal do governo Temer a área social sob sua responsabilidade para cumprir as promessas que ali proferiu.

Ao apresentar a Profa. Maria do Carmo Carvalho como a nova Secretária Nacional de Assistência Social, o Ministro e a nomeada ouviram coros e vaias como cumprimento. A situação constrangedora expressou a insatisfação dos presentes de ver consignado o risco que o SUAS está correndo, sendo comandado por uma dupla de ultradireita, que tem como tarefa minguar os direitos sociais com metodologias jurássicas de gestão social.

Enfim, a presença do Ministro e da Secretária no evento foi importante para que fossem conhecidos pelos participantes, mas na prática, foi o mesmo que nada

Entretanto, também ficou bem marcado que a luta está só começando e que nós, que construimos o SUAS em todo os cantos deste país, estamos atentos e coesos!

Anúncios